Affordable Access

VULNERABILIDADE EXTERNA BRASILEIRA CONJUNTURAL E ESTRUTURAL: Uma análise do pós-real.

Authors
Publication Date
Source
Repositório Institucional da UFSC
Keywords
  • Reprimarização, Vulnerabilidade Externa, Conjuntural, Estrutural, Pauta De Exportações.
External links

Abstract

O presente trabalho tem como objetivo a análise da vulnerabilidade externa da economia brasileira no período pós-real. Será realizada uma análise da vulnerabilidade externa conjuntural e estrutural da economia brasileira no período compreendido entre 1996 e 2013, mostrando como a partir do ciclo de expansão da economia mundial - que inicia a partir de 2003 – e do ciclo de alta dos preços das commodities, a vulnerabilidade externa conjuntural da economia brasileira se reduz substancialmente. Para isso, serão construídos e analisados indicadores, cujos dados foram obtidos junto ao World Bank Indicators, FMI – World Outlook database 2014, Banco Central do Brasil, IPEAdata e FUNCEXdata. Será realizada ainda uma análise da vulnerabilidade externa estrutural da economia brasileira, com vistas a verificar se a oportunidade gerada com a melhora conjuntural foi aproveitada pelo país para redução de sua vulnerabilidade externa estrutural. Os resultados obtidos sugerem que a oportunidade não foi aproveitada, agravando a vulnerabilidade externa estrutural do país ao adotar o modelo de crescimento com poupança externa, o tornando dependente de capitais externos para financiamento dos déficits em conta corrente e promoveu uma reestruturação produtiva da economia em favor de bens com menor conteúdo tecnológico, fomentando a reprimarização da pauta de exportações brasileira. A pauta de exportações brasileira tornou-se estruturalmente frágil, com elevada participação de bens básicos. Assim, como sugere o pensamento estruturalista, uma reversão no ciclo de alta dos preços das commodities e a desaceleração da economia mundial, em especial da China - principal parceiro comercial brasileiro e grande demandante de commodities - pode levar à deterioração dos termos de troca brasileiros e à volta das restrições externas.

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.

Statistics

Seen <100 times
0 Comments