Affordable Access

Physicality as a possible key to understanding human nature

Authors
  • Ibragimova, Z.Z.
Publication Date
Jan 01, 2021
Source
DIALNET
Keywords
Language
English
License
Unknown
External links

Abstract

The statement about human nature is the subject of numerous discussions, which, however, does not negate the presence of the substrate of its origin, manifestations, specificity, and real dynamics in space and time. In the process of analysis, we find a lot of arguments that confirm this fact, as well as a decent number of counterarguments. In this article, a priori, we proceed from the validity of the existence of the term "human nature", recognizing its ambiguity. Of course, our stated physicality as an aspect of human nature does not exhaust the idea of his nature. The nominal division into soul, spirit, etc. gives us some methodological tools. No more than that. Physicality, in its turn, requires problematization. "Physicality "is a category that denotes what a given human body naturally becomes in the course of its social modifications, so this category can certainly not be considered outside of conjunction with another very important category - "spirituality". These concepts, as well as the phenomena they denote, are interrelated (MORGAN 2006). In our review, there are three main ways to interpret "Physicality". Firstly, it is the only factuality that initially claims the ontological status. Secondly, it is part of a harmonious whole that includes all non-corporeal things. I would like to focus on the third aspect, which includes at least three principles. Thirdly, physicality changes its seemingly simple "fate" dramatically, turning into a problem as a way of human existence. This can be interpreted "as a creative act of overcoming oneself". Only this overcoming of the present self presupposes a reliance on its relevance and reality. This ontologically conditioned event is always self-based. In this sense, the body as a creative phenomenon " never appears just by its own. Yet it is precisely overcoming that is the constitutive feature of human existence. A man is bigger than himself. We can say that the problem is a way of human existence. The problem in the most primitive form can be expressed as "I already want to, but I can't yet". Where does the desire come from if the object of desire (the desired situation) is not yet available? How can you want something that doesn't exist yet and never has? The man himself is a few steps ahead (BUBLIK, 2006). Human rationality is based not only on reflectivity, but also on the ability of a person to operate with ideas that do not have objective visibility (for example, the ultimate category of being). Thus, man proves his metaphysicality: "man's metaphysics expresses not only the presence of the supernatural dimension in man but also his ability to determine himself, to be his own creation". The main methods used in writing the article: the unity of historical and logical, the method of reflection. / A afirmação sobre a natureza humana é objeto de inúmeras discussões, o que, porém, não nega a presença do substrato de sua origem, manifestações, especificidade e dinâmica real no espaço e no tempo. No processo de análise, encontramos muitos argumentos que confirmam esse fato, bem como um número razoável de contra-argumentos. Neste artigo, a priori, partimos da validade da existência do termo "natureza humana", reconhecendo sua ambiguidade. Claro, nossa fisicalidade declarada como um aspecto da natureza humana não esgota a ideia de sua natureza. A divisão nominal em alma, espírito, etc. nos dá algumas ferramentas metodológicas. Não mais do que isso. A fisicalidade, por sua vez, requer problematização. "Fisicalidade" é uma categoria que denota o que um determinado corpo humano naturalmente se torna no decorrer de suas modificações sociais, portanto, essa categoria certamente não pode ser considerada fora da conjunção com outra categoria muito importante - "espiritualidade". Esses conceitos, assim como os fenômenos que denotam, estão inter-relacionados (MORGAN, 2006). Em nossa revisão, existem três maneiras principais de interpretar "Fisicalidade". Em primeiro lugar, é a única factualidade que inicialmente reivindica o status ontológico. Em segundo lugar, é parte de um todo harmonioso que inclui todas as coisas incorpóreas. Gostaria de me concentrar no terceiro aspecto, que inclui pelo menos três princípios. Em terceiro lugar, a fisicalidade muda seu "destino" aparentemente simples de maneira dramática, tornando-se um problema como forma da existência humana. Isso pode ser interpretado "como um ato criativo de superação de si mesmo". Somente essa superação do eu presente que se pressupõe uma confiança em sua relevância e realidade. Este evento ontologicamente condicionado é sempre baseado em si mesmo. Nesse sentido, o corpo como fenômeno criativo “nunca aparece por si só”. Mas é justamente a superação que é a característica constitutiva da existência humana. O homem é maior do que ele mesmo. Podemos dizer que o problema é um modo de ser humano. O problema na forma mais primitiva pode ser expresso como "Eu já quero, mas ainda não posso"”. De onde vem o desejo se o objeto de desejo (a situação desejada) ainda não está disponível? Como pode você quer algo que ainda não existe e nunca existiu? O próprio homem está alguns passos à frente (BUBLIK, 2006). A racionalidade humana se baseia não só na refletividade, mas também na capacidade de uma pessoa operar com ideias que não tem visibilidade objetiva (por exemplo, a categoria última do ser). Assim, o homem prova sua metafisicalidade: "a metafísica do homem expressa não só a presença da dimensão sobrenatural no homem, mas também sua capacidade de determinar a si mesmo, de ser sua própria criação". Os principais métodos usados para escrever o artigo são: a unidade histórica e lógica, o método de reflexão. / El Enunciado sobre la naturaleza humana es objeto de numerosas discusiones, que, sin embargo, no niega la presencia del sustrato de su origen, manifestaciones, especificidad y dinámicas reales en el espacio y el tiempo. En el proceso de análisis, encontramos muchos argumentos que confirman este hecho, así como un buen número de contraargumentos. En este artículo, a priori, partimos de la vigencia de la existencia del término "naturaleza humana", reconociendo su ambigüedad. Por supuesto, nuestra fisicalidad declarada como un aspecto de la naturaleza humana no agota la idea de su naturaleza. La división nominal en alma, espíritu, etc. nos da algunas herramientas metodológicas. No mas que eso. La fisicalidad, a su vez, requiere problematización. La "fisicalidad" es una categoría que denota lo que un cuerpo humano dado se convierte naturalmente en el curso de sus modificaciones sociales, por lo que esta categoría ciertamente no puede considerarse fuera de la conjunción con otra categoría muy importante: la "espiritualidad". Estos conceptos, así como los fenómenos que denotan, están interrelacionados (MORGAN, 2006). En nuestra revisión, hay tres formas principales de interpretar la "fisicalidad". En primer lugar, es la única factualidad que inicialmente reclama el estatus ontológico. En segundo lugar, es parte de un todo armonioso que incluye todas las cosas no corporales. Me gustaría centrarme en el tercer aspecto, que incluye al menos tres principios. En tercer lugar, la fisicalidad cambia dramáticamente su aparentemente simple "destino", convirtiéndose en un problema como una forma de existencia humana. Esto se puede interpretar "como un acto creativo de superación a uno mismo". Solo esta superación del yo presente presupone una confianza en su relevancia y realidad. Este evento condicionado ontológicamente siempre se basa en uno mismo. En este sentido, el cuerpo como fenómeno creativo "nunca aparece por sí solo. Sin embargo, es precisamente la superación lo que constituye el rasgo constitutivo de la existencia humana. Un hombre es más grande que él mismo. Podemos decir que el problema es una forma de El problema en la forma más primitiva puede expresarse como "ya quiero, pero todavía no puedo". ¿De dónde viene el deseo si el objeto del deseo (la situación deseada) aún no está disponible? ¿Quieres algo que aún no existe y nunca ha existido? El hombre mismo está unos pasos por delante (BUBLIK, 2006). La racionalidad humana se basa no solo en la reflectividad, sino también en la capacidad de una persona para operar con ideas que no tener visibilidad objetiva (por ejemplo, la categoría última del ser). Así, el hombre demuestra su metafísica: "la metafísica del hombre expresa no solo la presencia de la dimensión sobrenatural en el hombre sino también su capacidad de determinarse a sí mismo, de ser su propia creación". Los principales métodos utilizados para redactar el artículo: la unidad de lo histórico y lo lógico, el método de la reflexión.

Report this publication

Statistics

Seen <100 times