Affordable Access

Photography working on the fight against military dictatorship in Brazil

Authors
Publisher
Universidade Estadual de Londrina
Publication Date

Abstract

DISCURSOS 12 para IMPRESSAO.pmd 217 Entrevista: Evandro Teixeira Paulo César Boni DOI 10.5433/1984-7939.2012v8n12p217 218 * Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (ECA/USP). Coordenador do Mestrado em Comunicação da Universidade Estadual de Londrina (UEL). A fotografia a serviço da luta contra a ditadura militar no Brasil Photography working on the fight against military dictatorship in Brazil Paulo César Boni * De todos os fotógrafos brasileiros, Evandro Teixeira provavelmente seja o maior exemplo de luta contra a ditadura militar que se instalou no país na década de 1960. Sua luta, sem disparar um único tiro, ecoou, amplificou e repercutiu no Brasil e no mundo. Sua arma? – A câmera fotográfica. Ele foi o único a fotografar o golpe dos bastidores. É dele a fotografia que praticamente simbolizou e condenou o golpe militar, tomada no interior do Forte de Copacabana, na noite do golpe. A imagem, segundo Oswaldo Munteal e Larissa Grandi no livro A imprensa na história do Brasil: fotojornalismo no século XX, “imortalizou o fato, em um momento de luz e sombras, um marco na imprensa e na história do Brasil”. Evandro também foi o único e driblar a marcação cerrada dos militares chilenos, durante o golpe militar que derrubou o presidente Salvador Allende, e fotografar o poeta – Prêmio Nobel de Literatura – Pablo Neruda morto. No Chile, como no Brasil, passou por “maus bocados” para documentar o intervencionismo militar nos rumos desses países. Mas não se arrepende. Pelo contrário, se orgulha muito de haver ajudado “a construir a história do Brasil com minha fotografia”. De bem com a vida, premiadíssimo no Brasil e no exterior, Evandro Teixeira concedeu-me essa entrevista quando de sua vinda a Londrina, em outubro de 2011, para palestrar sobre seu trabalho e lutas no fotojornalismo. Simples e acessível, atendeu a todos com a conhecida “paciência de Jó”. Humilde, ressaltou que “ninguém é dono da verdade” e destacou que “eu sou apenas mais um aprendiz

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.