Affordable Access

ATLAS LINGUÍSTICOS REGIONAIS BRASILEIROS: ITENS LEXICAIS SINÔNIMOS E PARASSINÔNIMOS/BRAZILIAN REGIONAL LANGUAGE ATLAS: SYNONYM AND PARASSYNONYM LEXICAL ITEMS

Authors
Publisher
Acta Semiótica et Lingvistica
Publication Date

Abstract

Acta 01 Atlas linguistico regional VOL. 16 - ANO 35 - Nº 1 - 2011 _________________________________________________________ 27 ATLAS LINGUÍSTICOS REGIONAIS BRASILEIROS: ITENS LEXICAIS SINÔNIMOS E PARASSINÔNIMOS BRAZILIAN REGIONAL LANGUAGE ATLAS: SYNONYM AND PARASSYNONYM LEXICAL ITEMS Maria do Socorro Silva de Aragão Universidade Federal do Ceará (UFCE) Universidade Federal da Paraíba – UFPB [email protected] As distinções entre sinônimos são um grande desafio ao engenho do lexicógrafo. Ullmann (1964:298)6 Resumo: Os estudiosos da semântica, desde tempos imemoriais, têm dado destaque particular ao problema da sinonímia e a partir desses estudos, questões as mais diversas são levantadas sobre a existência ou não de sinônimos. Se eles existem, como são definidos, como funcionam, qual o seu status, em termos cognitivos e/ou afetivos, se eles são absolutos ou parciais, se estão limitados à denotação ou se ligados à conotação em cada contexto particular. É a partir desses questionamentos e discussões que surge a noção de parassinônimos, quase sinônimos, sinônimos parciais e sinônimos em discurso, para designar "termos de mesmo sentido porém onde as distribuições não são exatamente equivalentes", no dizer de Galisson e Coste (1976:399)7. Nosso trabalho procurará buscar, na literatura especializada, resposta à questão: os itens lexicais dos Atlas Linguísticos constituem sinônimos ou parassinônimos? Como corpus para essa análise utilizaremos os cinco primeiros Atlas Linguísticos Regionais do Brasil publicados: Bahia, Minas Gerais, Paraíba, Sergipe e Paraná. Palavras-chave: Sinonímia. Parassinonímia. Variantes Regionais. Atlas 6 ULLMANN, Stephen. (1964): Semântica: uma introdução à ciência do significado. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, p. 298. 7 GALISSON, Robert. / COSTE, D.( 1976): Dicitionaire de didactique des langues. Paris: Hachete, p. 399. VOL. 16

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.