Affordable Access

READING IN THE CLASSROOM: is it rekindling the desire or repression?

Authors
Publisher
UFPB
Publication Date

Abstract

LEITURA EM SALA DE AULA: avatares do desejo ou recalcamento LEITURA EM SALA DE AULA: avatares do desejo ou recalcamento? READING IN THE CLASSROOM: is it rekindling the desire or repression? Mirian de Albuquerque Aquino1 Muitos estudantes esperam da cultura uma alegria que esteja em contato direto com a vida, que contribua para melhorar a vida, a dos outros e a sua: atingir o real, tentar explicar os homens de carne e osso, seus trabalhos, suas dores, seus sucessos; muitos estudantes esperaram que a cultura do curso superior escapasse ao livresco, ao escolar, e se voltasse para a realidade (Snyders, 1995, p.84). INTRODUÇÃO Tematizar leitura significa perceber que o termo saltita aos borbotões. Na literatura, muito já se falou sobre o assunto. Bem ou mal, neste País fala-se de tudo. Fala-se dos bons e dos maus leitores. Fala-se daqueles que nunca leram ou não lêem na cartilha. Para finalizar essa conversa: a humanidade fala mal até de Deus. No entanto, tremem de medo do castigo. Para alguns falantes, a leitura é prazer, desejo, divertimento e fruição. Outros tomam-na como dever, obrigação, ritual, utilidade e submissão. Para outros, a leitura define-se como discurso, conhecimento e informação. Ainda há aqueles que a concebem em sua correlação com um saber, que produz poder. Na escola, essa história ainda continua a mesma. O discurso sobre leitura resvala, em algumas práticas pedagógicas, como uma sinfonia, anunciada dezenas, trezenas e novenas de vezes, nas repetidas vozes a solfejar, exibindo notas solitárias: “o aluno não lê, o aluno não gosta de ler, o aluno não sabe ler.” E esse discurso seculariza-se numa verdadeira ladainha, enquanto um coro desafinado diz: amém. Assim, corre, boca à boca, um discurso de leitura que ainda permanece na escola, revelando-se numa cantilena de sons desafinados, letras apagadas e tênues variações, para compor uma orquestra discriminativa e generalizadora. Olhando essa caricatura, parafraseio um conhecido ditado pop

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.