Affordable Access

Comportamento de Grazing no pós operatório tardio de pessoas submetidas a cirurgia bariátrica

Authors
  • Berber, Larissa Cristina Lins
Publication Date
Dec 17, 2020
Source
Repositório Institucional da Universidade de Brasília
Keywords
License
Unknown
External links

Abstract

Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Ciências da Saúde, Departamento de Nutrição, Programa de Pós-Graduação em Nutrição Humana, 2020. / Introdução: Grazing é um comportamento alimentar capaz de afetar negativamente os resultados da cirurgia bariátrica podendo contribuir para o insucesso do tratamento cirúrgico da obesidade. Este comportamento pode ser classificado em compulsivo e não compulsivo e consiste em comer pequenas e repetidas porções de alimentos ao longo do dia em resposta, ou não, a fome ou saciedade. Objetivo: Estimar a prevalência de Grazing e sua associação com os desfechos antropométricos de sucesso cirúrgico no pós-operatório tardio de pessoas submetidas a cirurgia bariátrica. Método: Trata-se de um estudo transversal, parte do projeto matriz “Consumo alimentar, hábitos de vida, controle de comorbidades e estado nutricional de pacientes submetidos à cirurgia bariátrica”, com adultos operados há 5 anos ou mais pela técnica de bypass gástrico em Y-de-Roux (BGYR), nos serviços de saúde público ou privado do Distrito Federal. As pessoas foram contactadas a partir de cadastros existentes nos serviços e por meio de divulgação nas redes sociais. Aplicou-se questionário sobre dados demográficos, clínico- cirúrgicos e de adesão ao tratamento. Para avaliação da presença do comportamento de Grazing foi utilizado o questionário Rep(eat)_Q (Repetitive Eating Questionnaire). Foram aferidos peso e estatura e calculados o Índice de Massa Corporal (IMC) e as porcentagens de perda de peso total (%PPT) e de perda de excesso de peso (%PEP), que foram utilizados como parâmetros antropométricos de avaliação do sucesso cirúrgico. Para análise de diferenças entre pessoas com ou sem comportamento de Grazing foram utilizados os testes qui quadrado e T de Student, e, quando pertinente, foi aplicada a correlação de Pearson. Resultados: Foram avaliados 109 voluntários, 91.7% mulheres com 50.6±9.1 anos de idade e com tempo cirúrgico de 10.0±2.4 anos. A prevalência de Grazing foi de 67%, dos quais 12.3% não compulsivos, 5.5% compulsivos e 82.2% com ambos os subtipos. Houve correlações significativas e negativas entre a presença de grazing com a %PPT e %PEP, e positiva com o IMC. O fato de não estar em acompanhamento psicológico foi relacionado com a maior presença do comportamento (p=0.042). O sucesso cirúrgico foi mais prevalente entre as pessoas sem o comportamento de grazing Conclusão: A prevalência do comportamento de grazing foi alta entre as pessoas no pós-operatório tardio de BGYR. Sua presença, associada ao não engajamento em tratamento com equipe de assistência multiprofissional, interferiu negativamente no sucesso cirúrgico avaliado a partir da performance de parâmetros de perda de peso. São necessários estudos com desenho longitudinal para aprimorar as estratégias tanto de identificação quanto de monitoramento do comportamento nessa população. / Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). / Introduction: Grazing it is an eating pattern which is able to impairs the outcomes of bariatric surgery and can influence weight regain, that may contribute to the failure of surgical treatment of obesity. This behavior consists of eating a small and repeated amount of food throughout the day, in response or not to hunger or satiety, and can be classified as to subtypes: compulsive and non-compulsive grazing. Aim: To estimate the prevalence of grazing and its association with anthropometric outcomes and surgery success in the late post-operative period of patients who underwent bariatric surgery. Method: This is a cross-sectional study, part of the project “Food consumption, lifestyle, control of comorbidities and nutritional status of patients undergoing bariatric surgery”, with patients who underwent bariatric surgery for at least 5 years prior, using the Roux-en-Y technique (BGYR) in the Federal District, Brazil. Participants were contact by social medias, posters and telephones provided from medical records. Questionnaires were applied to investigate sociodemographic, surgery data, adherence variables, and the Rep (eat)_Q questionnaire was used to measure grazing. Anthropometric measurements of height and weight were performed and body mass index (BMI), percentage of total weight loss (%TWL) and percentage of excess weight loss (%EWL) were calculated with the propose to evaluate the surgical success. To analyze differences between people with or without grazing behavior, the chi-square and Student's T tests were used and, when relevant, Pearson's correlation was applied. Results: 109 volunteers were evaluated, 91.7% women with mean age of 50.6 ± 9.1 years and time since bariatric surgery of 10.0 ± 2.4 years. The prevalence of grazing was 67%, which 12.3% were non-compulsive, 5.5% compulsive and 82.2% with both subtypes. There were significant and negative correlations between the presence of grazing with %TWL and %EWL and positive correlation with BMI. The fact of not having psychological counseling was related to the greater presence of behavior (p = 0.042). Surgical success was more prevalent among people without grazing behavior. Conclusion: The prevalence of grazing behavior was high among patients in the long-term post-operative period of RYGB. Their presence associated with not engaging in a multi-professional care, negatively interfered the surgical success assessed from the performance of weight loss parameters. Longitudinal studies are needed to improve strategies for both identifying and monitoring behavior.

Report this publication

Statistics

Seen <100 times