Affordable Access

Frequencia e intensidade das ondas de calor em mulheres climatericas

Authors
Publisher
Biblioteca Digital da Unicamp
Publication Date
Keywords
  • Climaterio
  • Histerectomia
  • Fogachos
  • Terapia De Reposição Hormonal

Abstract

Objetivo: identificar os fatores associados à ocorrência e intensidade das ondas de calor em mulheres climatéricas residentes em Campinas, São Paulo. Métodos: análise secundária de banco de dados de estudo descritivo de corte transversal, de base populacional. Foram selecionadas 456 mulheres por processo de amostragem, entre 45-60 anos de idade, no período de outubro de 1997 a janeiro de 1998. A análise da intensidade das ondas de calor foi realizada incluindo-se apenas as 334 mulheres que referiram esse sintoma, e mensurada através do cálculo do índice circulatório. Os dados foram coletados através de entrevistas domiciliares, com questionários estruturados e pré-testados, fornecidos pela Fundação Internacional de Saúde/Sociedade Internacional de Menopausa e Sociedade Norte-Americana de Menopausa e adaptados pelos autores. Avaliaram-se a idade, cor, escolaridade, estado marital, emprego, estrato social, região geográfica, idade à menarca, paridade, número de abortos, uso de métodos anticoncepcionais e terapia hormonal, antecedente de laqueadura tubária, índice de massa corpórea, estado menopausal, tempo de menopausa, antecedente de histerectomia, ooforectomia bilateral e tabagismo. Foram calculadas a média, mediana e as freqüências absolutas e relativas, de acordo com o tipo de variável. A medida de associação utilizada foi a razão de prevalência (RP). Foram realizadas as análises bivariada e de regressão múltipla, utilizando o processo de seleção passo a passo para identificação dos fatores associados à ocorrência e intensidade das ondas de calor, adotando-se intervalo de confiança de 95% (IC 95%). Resultados: Quando se avaliou a ocorrência de ondas de calor, a análise bivariada mostrou que mulheres na pós-menopausa (RP:1,42; IC95%:1,06-1,90) e histerectomizadas (RP:1,50; IC95%:1,05-2,14) apresentaram chance significativamente maior de referir ondas de calor. A análise de regressão múltipla não mostrou associação significativa entre a presença de ondas de calor e as variáveis avaliadas. Quando se avaliou a intensidade das ondas de calor, mulheres com tempo de menopausa superior a 61 meses (RP: 0,59; IC 95%:0,39-0,88) apresentaram chance significativamente menor de referir ondas de calor intensas, enquanto o antecedente de ooforectomia bilateral (RP: 1,95; IC 95%: 1,08-3,50) associou-se significativamente à intensidade das ondas de calor. Conclusões: Os resultados mostraram coerência com estudos internacionais, ou seja, ainda existem muitas dúvidas sobre quais fatores estariam realmente associados à ocorrência das ondas de calor. Os fatores associados às ondas de calor de maior intensidade, tempo de menopausa e ooforectomia bilateral sugerem o hipoestrogenismo como causa comum para as ondas de calor mais intensas. Mulheres com esses fatores devem ser alvo de atenção especializada, e mais estudos são necessários, visto que ainda existem dúvidas sobre quais fatores estariam realmente associados à ocorrência e intensidade das ondas de calor

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.