Affordable Access

Deslocamentos da população em Portugal. Programa de um estudo

Authors
Publisher
Centro de Estudos Geográficos
Publication Date

Abstract

0510_08_Finisterra_85.indd TEXTO I DESLOCAMENTOS DA POPULAÇÃO EM PORTUGAL. PROGRAMA DE UM ESTUDO* A importância geográfica dos deslocamentos da população foi posta em relevo pelo último Congresso Internacional de Geografia (Amsterdam, 1938), que inclui entre os assuntos a discutir o estudo dos «movimentos migratórios actuais e das influências que actuam no seu carácter». O relator das teses que se agruparam sob esta rubrica, professor Daniel Faucher, chamou a atenção para a complexidade de fenómenos na aparência regidos por leis elementares, como, por exemplo, a deslocação de habitantes de uma povoação que acompanham os seus rebanhos transhumantes, e para o aspecto essencialmente geográfico de certas migrações, não tanto nas suas causas, como nas consequências que a transferência de população acarreta para a região que a fornece e para a que a recebe. Um breve comentário indicou algumas directrizes a que deviam subordinar- -se os estudos apresentados e esboçou uma classificação que se baseia, essen- cialmente, na causa que provoca o movimento. Assim temos migrações inerentes a certos géneros de vida (pastoris, trabalhos agrícolas, etc.); migrações que resultam de desequilíbrio entre o estado demográfico e o estado económico e são verdadeiras fugas à pobreza ou à miséria, devidas ao aumento da popula- ção, aos baixos salários ou rendimentos, à produção agrícola insuficiente, a causas acidentais ou à manifestação de crises económicas de certa generalidade; finalmente, migrações determinadas menos pelas condições do ambiente origi- nário do que pela atracção exercida pelo exterior, pelas cidades, regiões novas, identidade de raças, espírito de aventura, etc. É claro que a classificação aqui resumida tem como fim principal chamar a atenção para certos aspectos que as migrações apresentam e para as influências que nelas actuam. A mesma corrente migratória pode ser devida a múltiplas causas ou manter-se com idêntico carác- ter mesmo que mude o motivo que a produz. Assim, a e

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.