Affordable Access

Avaliação da viabilidade e desenvolvimento in vitro de oócitos de gatas domésticas após vitrificação em meio suplementado com vitamina E

Authors
Publication Date
Source
Repositório Institucional UNESP
Keywords
  • Gato
  • Antioxidantes
  • Criopreservação
  • Vitamina E
  • Oócitos
  • Antioxidants
External links

Abstract

O emprego de técnicas de criopreservação de gametas em felinos domésticos são consideradas importantes no aprimoramento de procedimentos na reprodução assistida. A vitrificação se baseia no uso de altas concentrações de crioprotetores com o intuito de inibir a formação de cristais de gelo. É possível que a criopreservação induza a produção de espécies reativas de oxigênio (EROs) ou altere o potencial antioxidante enzimático do oócito, sendo assim, aventa-se que a adição de antioxidantes aos meios de vitrificação poderia reduzir o estresse oxidativo causado pelos crioprotetores. No experimento I comparam-se quatro protocolos de vitrificação utilizando-se como meio base (MB) o TCM199 (Meio de cultura de tecidos 199) com glicose mais antibiótico, acrescido de crioprotetores: G1 (3M etilenoglicol–EG + 2M de dimetilsulfóxido-DMSO), G2 (3M EG + 3M 1,2 propanediol-PrOH), G3 (1,5M EG + 1M DMSO) e G4 (1,5M EG + 1,5M PrOH). Após descongelamento, este material foi avaliado quanto à alteração morfológica e viabilidade (coloração cFDA/trypan blue). Neste, não houve diferença estatística (p=0,2857) entre os oócitos descongelados dos quatro grupos estudados em relação à morfologia, mas em relação a viabilidade oocitária os grupos G1 e G2 obtiveram maior porcentagem de oócitos viáveis, porém não diferiram entre si (35,71% e 36,84%, respectivamente; p=0,018). No experimento II três concentrações de vitamina E (0,4, 0,6 e 0,8mM) foram acrescidas ao protocolo de MB com 3M EG + 3M PrOH, formando os grupos G 0,4mM, G 0,6mM, G 0,8mM e o G 0 (sem adição de vitamina E). A escolha do protocolo base foi de acordo com os resultados obtidos no experimento I. Observamos que houve melhora da porcentagem (p=0,0032) de oócitos que apresentavam morfologia normal, nos grupos G 0,6mM (88,6%) e G 0,8mM (62,5%). Oócitos do experimento II que mantiveram sua morfologia após a descongelamento foram submetidos à ...

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.

Statistics

Seen <100 times
0 Comments
F