Affordable Access

Percepção subjetiva do esforço - classificação do esforço percebido: proposta de utilização da escala de faces

Authors
Publisher
Colégio Brasileiro de Atividade Física, Saúde e Esporte
Publication Date

Abstract

A percepção subjetiva de esforço (PSE) apresenta-se como uma importante estratégia para o controle da intensidade de exercício. Considerando que a escala RPE de Borg (Ratings of Perceived Exertion), instrumento comumente utilizado, fundamenta-se na comunicação verbal, o presente estudo procurou verificar se a PSE, através de uma escala baseada na comunicação não verbal, quer seja, a escala de Faces, apresentava resultados confiáveis para sua utilização. Neste sentido, teve por objetivo verificar, através de um teste de esforço progressivo máximo, a correlação existente entre: a escala de Faces e o consumo de oxigênio de pico (VO2pico), a escala RPE de Borg e o consumo de oxigênio de pico (VO2pico) e entre a escala de Faces e a escala RPE de BORG. A �amostra� (n = 10) limitou-se a sujeitos aparentemente saudáveis, do gênero masculino, adultos jovens e não atletas. Durante o teste, realizado em cicloergômetro, as PSEs (Faces e RPE de Borg) foram registradas e os gases respiratórios coletados, amostrados e registrados. Objetivando definir o perfil do conjunto de dados, foram estimadas as medidas de localização (média e mediana) e dispersão (erro-padrão e desvio-padrão). A correlação entre as escalas (Faces e RPE de Borg) frente ao consumo de oxigênio de pico (VO2pico) e entre si foi estimada através do Coeficiente de Contingência (C), pois as variáveis encontravam-se em escala nominal e dispostas em tabelas 8 x 8. Para testar a significância da estimativa de correlação, definiu-se a = 5,000% e procedeu ao teste ?2clássico, tendo por regra de decisão a rejeição de H0 quando o valor-p < 0,05. Os resultados demonstraram uma alta correlação entre Faces e VO2 (Crelativo= 0,824; r2 = 67,936%; Valor-p = 0,048) e entre Faces e Borg (0,911; 82,960%; 0,010), indicando que a proposta escala de Faces pode ser utilizada em substituição à escala RPE de Borg, para o grupo investigado.

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.