Affordable Access

Ação anti-helmíntica da Morinda citrifolia (noni) sobre Heterakis gallinarum

Authors
Publisher
UEL
Publication Date
Keywords
  • Medicina Veterinária
  • Plantas Medicinais
  • Helmintologia
  • Galinha.
  • Medicinal Plants
  • Helminthology
  • Chicken.

Abstract

A ação anti-helmíntica da Morinda citrifolia (noni) sobre Heterakis gallinarum foi avaliada em galinhas poedeiras naturalmente infectadas. A atividade anti-helmíntica in vitro foi determinada em helmintos adultos colocados em placas de petri descartáveis, contendo solução Tyrode pré-aquecida, nas quais foi adicionado o extrato aquoso ou etanólico e mantidas em BOD a uma temperatura de 37oC (±1). Os extratos aquoso e etanólico foram usados nas seguintes concentrações: 1,69; 3,37; 6,74; 13,48 e 26,96 mg.mL-1 e 4,17; 8,34; 16,68; 33,36 e 66,72 mg.mL-1, respectivamente. Como controle positivo usou-se uma solução de citrato de piperazina tetrahidratada na concentração de 50 mg.mL-1. A atividade anti-helmíntica in vivo foi determinada em aves, administrando-se os extratos aquoso ou etanólico (10 mL/Kg/PV) durante três dias consecutivos. As fezes dos animais foram coletadas durante quatro dias, em seguida foram lavadas em água corrente e peneiradas. No quinto dia após início do tratamento, as aves foram abatidas e necropsiadas, para contagem e identificação dos helmintos remanescentes. Os dados obtidos foram analisados estatisticamente utilizando o teste de Student-Newman-Keuls. No teste in vivo, não houve diferença significativa entre o extrato aquoso (concentração de 10%) e o grupo controle (água) (p>0,05) na eliminação de H. gallinarum. O extrato etanólico apresentou um percentual de eliminação de 20,35%, diferindo estatisticamente do grupo controle (p<0,05). Na concentração 26,96 mg.mL-1, para o teste in vitro, o extrato aquoso causou mortalidade de 100%, semelhante ao obtido pela piperazina (100%), diferindo estatisticamente do controle negativo (p<0,05). Nas concentrações 33,36 e 66,72 mg.mL-1, o extrato etanólico também apresentou percentagem de mortalidade de 100%, havendo diferença estatisticamente significativa do controle negativo (P<0,05). Conclui-se que a atividade anti-helmíntica do fruto do noni apresentou resultados promissores no teste in vitro, havendo necessidade de estudos com maiores concentrações no teste in vivo.

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.