Affordable Access

Estudos ontogeneticos de flor e fruto em especies de Bignoniaceae com enfase na taxonomia

Authors
Publisher
Biblioteca Digital da Unicamp
Publication Date
Keywords
  • Bignoniacea
  • Plantas - Ontogenia
  • Anatomia Vegetal
  • Taxonomia Vegetal
  • Plants
  • Classification
  • Plant Anatomy
  • Plants Ontogeny

Abstract

O presente trabalho teve como objetivo estudar ontogenética e morfologicamente a flor e o fruto em representantes de Bignoniaceae no intuito de verificar se ocorrem padrões no desenvolvimento do ovário bem como o modo de formação do septo e placentas e a forma de compressão do fruto nesta família. Foram realizados estudos ontogenéticos com abordagens anatômicas e de Microscopia Eletrônica de Varredura em gemas florais, botões florais, flores e frutos de representantes selecionados de acordo com atributos morfológicos de interesse taxonômico como o tipo de fruto (indeiscente/deiscente), deiscência deste em relação à coluna seminífera (paralela/perpendicular), tipo de coluna seminífera e em Jacaranda, um representante de cada seção. As espécies estudadas foram: Cybistax antisyphilitica (Mart.) Mart., Jacaranda mimosifolia D. Don (seção Jacaranda) e Jacaranda simplicifolia K. Schum. ex Bureau & K. Schum. (seção Dilobos), Digomphia laurifolia Benth. (Tecomeae), Arrabidaea brachypoda Bureau (Bignonieae) e Parmentiera cereifera Seem. (Crescentieae). Efetuou-se o estudo morfológico das espécies de Jacaranda e de Digomphia nativas do Brasil, com intuito de obter caracteres diagnósticos com enfoque em Jacaranda que apresenta espécies muito parecidas, de difícil posicionamento taxonômico. Verificou-se que o surgimento dos primórdios de filomas florais ocorre centripetamente, de forma sincrônica ou assincrônica. Os dois carpelos são ascidiados e originam-se na região central do domo, podendo esta se tornar côncava antes da iniciação dos carpelos. O septo pode estar presente desde os estádios iniciais do desenvolvimento ou surgir posteriormente. Através do estudo anatômico, verificou-se que em todas as espécies analisadas os primeiros feixes vasculares a se formarem no ovário são os dorsais, seguidos dos ventrais. Ocorrem quatro placentas, nas quais os óvulos se desenvolvem da região central próxima ao tecido transmissor para as regiões periféricas do septo, de forma basípeta ou acrópeta, variando em número de fileiras e óvulos conforme as espécies. Os óvulos são unitegumentados e anátropos. O estaminódio, mesmo que vestigial, desenvolve-se mais rapidamente que as anteras nos estádios ontogenéticos iniciais. No desenvolvimento do fruto, as maiores modificações ocorrem na região mediana do pericarpo jovem, junto aos feixes vasculares laterais, onde surgem novos feixes e fibras orientadas em vários sentidos. Registrou-se a presença de um replo em A. brachypoda, constituído por um feixe vascular lateral no pericarpo, rico em fibras e adjacências da coluna seminífera. Em Jacaranda, pode-se fazer as seguintes inferências: a Seção Dilobos apresenta plantas com hábito arbustivo ou arbóreo, com as folhas são bipinadas na maioria das árvores e pinadas nos arbustos, exceto em J. simplicifolia, que é um arbusto com folhas simples. Na Seção Jacaranda, a maioria das espécies é arbórea, com folhas bipinadas e as inflorescências são mais complexas. As espécies arbóreas de Jacaranda com folhas bipinadas e anteras monotecas possuem os frutos lenhosos, enquanto que os frutos sublenhosos a cartáceos estão dentre as espécies arbustivas e xilopodíferas deste gênero. Digomphia compartilha com Jacaranda caracteres morfológicos como a forma de compressão do fruto, deiscência perpendicular ao septo e estaminódio alongado com tricomas glandulares. A disposição dos feixes vasculares no ovário e no fruto é característica destes dois gêneros diferindo dos demais gêneros de Bignoniaceae aqui estudados

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.