Affordable Access

Pela ressignificação e institucionalização do cuidado em enfermagem

Authors
Publisher
Faculdade de Enfermagem da Uerj
Publication Date

Abstract

C:\Users\Alonso\Documents\0 re Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2013 abr/jun; 21(2):149-50. • p.149 149 E d i t o r i a lE d i t o r i a lE d i t o r i a lE d i t o r i a lE d i t o r i a l para o bem viver em seu sentido pleno, compreender sua própria visão de mundo com vistas a prevenir o desconforto/mal-estar. A saúde no sentido de bem-estar não significa somente ausência de doenças, passando a abranger outros danos que comprometem as dimensões corporais física, mental, social e espiritual do ser humano, contextualizado no mundo onde vive e se relaciona com outros. Todos cuidam para viver, incluindo a proteção do planeta e seus habitantes, embora a arte de cuidar tenha sido atribuída à mulher, ao longo do tempo. Historiadores enfermeiros apontam a enfermagem como uma profissão feminina, pois as mulheres a conceberam em espaço de trabalho, para além da vida familiar, ressignificando seus aspectos social, econômico, político e cultural1. O cuidado como prerrogativa dessa profissão, exercida majoritariamente por mulheres, delineia uma significação que abarca diferentes valores culturais, éticos, técnicos, científicos, sociais e étnicos, princi- palmente no Brasil, onde predomina a diversidade étnica e, consequentemente, cultural1. Os aspectos dessa diversidade neste país, devido à miscigenação, fortalecem o cuidado diante do processo saúde-doença, isto é bem-estar/mal-estar, tendo em vista que o modelo biomédico do cuidado, no ocidente, ao longo dos séculos, tem sido hegemônico, influenciando esse processo, impedindo, frequen- temente, em prol da ciência (ou da cultura organizacional biomédica), os laços entre as pessoa e suas raízes culturais mais profundas. Vale ressaltar que os saberes compartilhados entre as pessoas, leigas, afrodescendentes, indígenas, orientais, os considerados cientistas e os profissionais de saúde, ainda não expressam a realidade. Apesar do avanço científico, inclusive das áreas da homeopatia e das terapias complementares (acupuntura, fl

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.