Affordable Access

A Privatização de Serviços Públicos Básicos na África: uma Tréplica

Authors

Abstract

entro de Pobreza InternaCIonal C abril, 2007 número 31 a Privatização de Serviços Públicos Básicos na África: uma tréplica por John Nellis, International Analytics No seu IPC Policy Research Brief 1 sobre “a privatização de serviços de utilidade pública básicos na África Subsaariana: o impacto dos oDM”, Bayliss e McKinley, têm razão quando afirmam que (i) alguns investidores privados têm mostrado muito interesse em empresas de eletricidade e águas na África e daqueles que têm mostrado, muitos não fizeram um bom trabalho, (ii) os governos africanos foram empurrados a aceitar participação privada na infra-estrutura básica pelas instituições financeiras internacionais e doadores; (iii) os governos africanos ainda são donos e exploram a maior parte dos setores de eletricidade e águas e a propriedade pública nessas áreas cruciais continuará no futuro previsível; (iv) uma maior percentagem do capital desesperadamente necessário para recuperar e expandir essas redes tem de vir de fontes internas e “oficiais”– ou seja, de doadores –, e (v) os esforços para melhorar o funcionamento das empresas de eletricidade e águas de propriedade pública têm de ser redobrados. Uma vez que eu concordo com tanto do seu diagnóstico, por que eu continuo a sentir que não tenham oferecido o prognóstico e prescrição acertados? as razões são três: em primeiro lugar, creio que os autores superestimam a facilidade de melhoria de desempenho em empresas de propriedade estatal. em muitas empresas de serviços públicos de águas e de eletricidade africanas, a redução de perdas do sistema, uma melhor manutenção e expansão da rede foram tentadas por anos antes do impulso à privatização. Mas sob pura gestão pública, os resultados positivos, com ou sem ajuda dos doadores, foram modestos ao extremo. o problema na África é que as empresas de serviços públicos historicamente, de propriedade e gestão públicas nestes setores, operando com tarifas menores que a recuperação de custos, tenham proporci

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.