Affordable Access

Percursos libertários

Authors
Publisher
verve. revista semestral autogestionária do Nu-Sol.
Publication Date

Abstract

307 verve Percursos libertários percursos libertários cristina lopreato* Nildo Avelino. Anarquistas: ética e antologia de existências. Rio de Janeiro, Achiamé, 2004, 193 pp. A vida, diz o poeta Ferreira Gular, “se inventa, a vida se faz”. De maneira sagaz e criativa, Nildo Avelino nos traz, em sua obra, percursos de vida trilhados por pes- soas que inventaram suas vidas e se fizeram anarquis- tas. Viveram de e para o anarquismo, forjando um esti- lo de vida, uma ética. São pessoas singulares e, ao mes- mo tempo, plurais. São muitas em cada uma delas. São livre-pensadores que cotidianamente se reinventam. São seres pensantes, militantes, uns mais falantes. Alguns já se foram, outros aí estão atuantes, vibrantes, conta- giantes. Nildo compartilha com os leitores o seu aprendizado do viver libertário de velhos militantes do Centro de Cultura Social, CCS, em especial Antonio Martinez (1915-1998) Jaime Cubero (1924-1998) e José Oliva Castillo (1912-2001), que transcenderam e se eterniza- ram na memória afetiva dos que os conheceram. Junta- mente com Maria Aparecida Cubero, companheira de Jaime, Francisco Cuberos (Chico) e sua companheira Maruja, Diego Gimenez Moreno, José Carlos Morel (Zeca), entre outros, Nildo tem sua história de vida atra- vessada pelo CCS, local de encontros e de discussões * Professora do Instituto de História da Universidade Federal de Uberlândia. Autora de A semana trágica: a greve geral anarquista de 1917. São Paulo, Museu da Imigração, 1997. verve, 10: 307-311, 2006 308 10 2006 libertárias, que, apesar da falta de recursos, resiste a deixar de funcionar. A trajetória deste centro aglutinador de militantes e de simpatizantes anarquistas e de difusão dos valores libertários em terras paulistanas é traçada no segundo capítulo do livro, originalmente uma dissertação de mestrado defendida no Programa de Estudos Pós-Gra- duados em Ciências Sociais na PUC de São Paulo, em 2002. Foi nos idos anos de 1933 que teve início as ativi- dades do Centro de

There are no comments yet on this publication. Be the first to share your thoughts.